quarta-feira, 18 de abril de 2012


Perco-me no interior da minha alma, dos meus pensamentos. Nas recordações antigas e das lembranças. Percorro ruas, estradas e oceanos. Passam-se filmes com tudo aquilo que se passara até hoje com o meu caminhar. Não falo das coisas boas, como é claro. Filmes com os fantasmas do passado, que agora, se juntam aos do presente. Tento abrandar o passo, mas estas somente me atacam durante um maior numero de tempo. Corro então, o mais rápido possível, mas cada vez são mais as recordações. Paro, repentinamente, e encontro uma alma parecida com a minha, negra e silenciosa. A porta está aberta e decido bater a ver se alguém responde. O silêncio consome aquela alma. Entro devagar e encontro-o de joelhos, com os punhos fechados e a chorar silenciosamente. Vê-se um oceano de lágrimas e um rio de dor. Aproximo-me dele, e percorro-lhe a face com os dedos. Sinto os meus dedos vibrarem com a dor nele. É então, nesse momento, que ele me pergunta se me sinto bem. Abro-lhe o coração e ele, perplexo, olha para as cicatrizes. Percorre-as com os dedos, também e posso até jurar que ele sentiu o mesmo que eu, um arrepio de dor. Fez-se tarde e ele leva-me lá fora. Pergunta-me se tenho pressa e respondo-lhe que não. Leva-me até a um banco negro, e as nossas almas tornam-se numa só, acabando por ficarem abraçadas uma à outra. E os nossos corpos? Ficaram somente sentados num banco de cor preto, igualmente à cor da nossa alma que anda perdida por aí, algures, quem sabe, no meio do nada. 

40 comentários:

  1. Quando leio os teus textos arrepio-me sempre querida. Força, sabes que estou aqui para o que precisares*

    ResponderEliminar
  2. Sem palavras, escreves de uma forma tão linda *.*

    ResponderEliminar
  3. Dei, pois (:
    Não tens de agradecer princesa *.*

    ResponderEliminar
  4. Texto lindo, adorei!



    http://placequotehere.blogspot.pt/2012/04/baby-its-cold-outside.html

    ResponderEliminar
  5. eu sei, e é isso mesmo que vou fazer. não és a primeira a dizer isso :O

    ResponderEliminar
  6. está realmente bonito este texto, ana margarida! <3
    muito obrigada pelo teu comentário :3

    ResponderEliminar
  7. Ahaha e eu estou para aqui a rir-me também... Nem sei muito bem porquê, mas hoje estou louco xD

    ResponderEliminar
  8. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  9. oh obrigada doce. e que lindo. muito lindo :))

    ResponderEliminar
  10. confesso que este teu texto me fez chorar, meu amor. está lindo, como todos os outros. <3

    ResponderEliminar
  11. Mais uma vez não há palavras. Admiro de uma forma tão especial esta tua escrita. Sinto que não estás bem, mas, vais ficar! A força de que precisas para seguir em frente vai aparecer e vais conseguir sorrir e um sorriso daqueles verdadeiros !

    ResponderEliminar
  12. texto intenso e bastante reflexivo, gostei mesmo. Você escreve muito bem, com certeza voltarei mais vezes aqui.

    Bjs
    http://www.maviealeatoire.blogspot.com.br/

    ResponderEliminar
  13. eu também gostei, mas ainda estou indecisa

    ResponderEliminar
  14. Não dês confiança... ele não merece.

    ResponderEliminar
  15. obrigada, meu amor.
    oh, como se tu precisasses de agradecer. <3

    ResponderEliminar
  16. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  17. Muito mas muito bom este post. Gostei da clareza das palavras, da transparência dos sentimentos. Muito bom, Um Beijo :)*

    ResponderEliminar
  18. podes crer , tem vezes que mais vale mais deixar ir e fazer figas para que volte ...

    ResponderEliminar
  19. Gostei
    seguindo :D
    http://enredodeideias.blogspot.com.br/
    Beijos

    ResponderEliminar