quinta-feira, 3 de março de 2016

Não é parar que é morrer.  Parar é fazer uma pausa, uma mera interrupção. E morrer é acabar, é reduzir a cinzas aquilo que não pode ser reduzido a pó. Morrer é falar e não ser ouvido, é cair e não ser apanhado. Parar não. Parar é mais fácil. É o preparar da morte, o esperar do destino. É o que antecede a morte. Mas não é um fim. É um ponto de partida que so tem como meta o termo. Não é parar que é morrer. É ir andando e nao ter para onde ir. 

terça-feira, 1 de dezembro de 2015

Estou faminta de meios amores e meias metáforas e acabo por pedir a Deus que me dê amor próprio. Imagino-me aqui e acolá de braço dado ao amor e de costas voltadas para a tranquilidade. Dizem que amar é naufragar. Andar perdida, caída, desaparecida. Mas ninguém sabe escrever sobre o amor. Que raio estou eu a fazer?

sábado, 14 de novembro de 2015

Não há guerra que justifique a morte de centenas, nem Deus que aceite ataques suicidas como forma de difundir o terror. Não há religião que defenda o terrorismo, nem paz que defenda a guerra. Em nome das varias ideologias e mentalidades, as mais sinceras condolências a todas as vitimas e familiares destas mesmas. O mundo está convosco, hoje e sempre.

terça-feira, 13 de outubro de 2015

Fazes o que queres ou queres o que não fazes?