terça-feira, 19 de junho de 2012

O ódio gera o amor. Não tem mãos a medir, não profere, não engana. É exacto. Oh, se é. Nasce no amor. Envelhece no amor. Enraivece, entristece, enfurece. Não importa a dor provocada, pois, no final, não estará presente. O ódio mata. O amor alimenta. O ódio afasta. O amor aconchega. 
É um ciclo vicioso, quase mortivo, creio eu. Não poderei falar com tanta exactidão, não poderei narrar com precisão. Não falarei de detalhes, mas criticas serão bastantes, daqui em diante. Aliás, sempre foram inúmeras. Tento guarda-las somente para mim, mas vejo a minha alma abrir-se rapidamente com esperanças que alguém a compreenda. E lá vão elas. Todas em filinha para poderem desabafar com alguém que as perceba. Elas, as duvidas. E eu, a alma vazia com esperanças que um doce amor apareça. Sem ódio, sem maldade, sem rancor. 

28 comentários:

  1. enganei-me no comentário anterior :$
    é continuar a ser forte, que a vida compensa.
    e sim, dá-me o conselho (:
    já agora, adoro este texto, a maneira como escreves é muito poderosa, continua <3

    ResponderEliminar
  2. não te preocupes doce, eu estou bem :)
    oh princesa, um dia o amor vai aparecer na tua vida para ficar, acredita.

    ResponderEliminar
  3. muito obrigado! em relação ao texto, há sempre um amor que se equipare a um cobertor de pêlos numa noite de inverno. quando chegar, é só agarra-lo bem e aproveitar o resto da noite*

    ResponderEliminar
  4. Eu não sei... Ainda nem me informei sobre os cursos que há, mas é bom que me despache porque devem começar em julho

    ResponderEliminar
  5. tudo vem quando menos se espera querida, e o amor á de bater á tua porta e aconchegar a tua alma :)
    gostei muito, sigo*

    ResponderEliminar
  6. Mantenha a esperança. Mas não anseie. Se ódio combina amor, ansiedade nada disso provoca. Mais vale procurar outro meio de ser feliz, até que o inesperado se apresente.
    Abraços.

    ResponderEliminar
  7. muito muito obrigada princesa linda :)

    ResponderEliminar
  8. Por vezes amamos com muita força e quando algo de mau acontece o ódio nasce sem nos dar tempo para percebermos o que está a acontecer. Infelizmente conheço o ódio que nasce do amor e felizmente aprendi a passar-lhe ao lado. O ódio torna a vida mais triste enquanto o amor só aumenta as razões para viver :)

    ResponderEliminar
  9. Sabes que não tens que me agradecer, meu amor, amo-te*

    ResponderEliminar
  10. O amor e o ódio andam de mãos dadas, não é verdade?

    ResponderEliminar
  11. Tens toda a razão, é difícil, mas revela-se sempre o melhor :)

    ResponderEliminar
  12. Olá! :) Não tenho blog, mas preciso imenso da tua ajuda pelo simples facto de ter imensos ciúmes e andar num pleno dilema!
    E qual é o meu dilema? Bem, o meu namorado vai passar o S. João no Porto com amigos (inclui amigas grrrrr, que bem, conheço-os a todos) pela primeira vez. O facto de só chegar a casa de manhã, devido a ter transporte apenas de manhã atormenta-me um bocado, tal como o facto de beber, sim porque no S. João, é andar de bar em bar e beber!
    Apesar de ele não beber muito, com os amigos todos é o que se sabe...
    Não consigo meter isto na cabeça, não consigo!
    Apesar de tudo, sei que é uma coisa que ele quer muito, pois ao fim de ele acabar o duro 12ºano como ele diz 'queria-me divertir pela primeira vez' (p.s.: ele não foi a viagem nem a baile de finalistas).
    Help meeeeee*

    ResponderEliminar
  13. o amor é que gera o ódio... infelizmente

    ResponderEliminar