sexta-feira, 30 de setembro de 2011

"Hoje, não venho falar de amor. O amor morreu no dia em que partis-te, apesar de eu continuar a escrever sobre ele. Eu hoje, venho falar sobre toda a saudade de momentos não vividos. Porque amar cansa, e é destinado aos fortes. Deixa-me relembrar essas recordações passageiras, reerguer as minhas vontades, fazer de conta que sou mais meu do que dos outros. Eu tenho essa mania de dar. Dar tudo. Entregar assim mesmo, de mão beijada os meus segredos. Não quero falar de amor porque desaprendi o seu significado. Sim, também o perdi. Perdi todo e qualquer resquício de compaixão ou afeição. É pedir muito querer ficar só? Deixa-me tentar manter de pé os meus castelos, não viver por ninguém. Gosto de me prender ao vazio. É errado? O vazio pelo menos não destrói. Dele eu não passo. Ou fico ou saio. Conforto-me na incredulidade, porque o “crer” depende das circunstâncias. E as actuais não são nada boas. Eu sei, é repugnante pensar que alguém é quase ou totalmente ausento de sentimentos. E eu não sou, só finjo. A aparência, o mostrar-se forte, valem mais que o ser. Que o sentir, de facto. Eu não quero falar de amor porque ainda dói. Ainda é viva aqui, a marca do último olhar.  O destino é continuamente reescrito e esconde as suas mãos. Não é à toa que nada disso faz muito sentido. Eu amei implorando uma resposta para uma pergunta que nunca fiz. Eu sinto saudades, confesso. Criei uma personalidade inexistente, tentei enganar a minha fragilidade, quis fugir da minha essência, negar os meus medos e esconder a minha timidez. Tudo isso em troca de um adeus que eu nunca dei. Eu não quero falar de amor porque há amor em tudo. Ou apenas excesso em mim. Porque eu desmancho-me em lágrimas quando citam o teu nome e não encontro força para voltar atrás. Diz-me, aqui, baixinho mesmo, onde foi que nos perdemos? Eu preciso retomar as rédeas da minha vida, desprender-me de toda essa banalidade super valorizada. Eu não quero falar de amor porque, no fundo, eu sou só isso. E não o quero ser. Não quero ser um fantoche mais uma vez, um coração a lutar por dois. Espírito forte e a carne fraca, com a tristeza estampada no rosto por não ter com quem dividir momentos ou fraquezas. Aquelas histórias engraçadas ou o sonho da noite passada. Hoje eu não quero falar de amor, quero inverter os papéis. Tu sentes e sofres. Eu só lamento. Lamento muito."


Tumblr_lrzhqsaqzw1r3dnp4o1_250_large

27 comentários:

  1. óh, obrigada princesa. mas deixa estar, aprendi que há coisas que nem sequer devem ser exteriorizadas por palavras, quanto mais por gestos... :)

    ResponderEliminar
  2. O amor dói tanto mas sabe sempre tão bem $:
    Beijinho *

    ResponderEliminar
  3. muito obrigada :)
    mas realmente tem-se tornado difícil postar, escrever e ter arranjado inspiração.
    obrigada seguidora exemplar, apesar de eu estar o mais longe daqui, estás por perto *

    ResponderEliminar
  4. só para quem merece querida.
    em relação ao que publicaste adoro esta frase principalmente " Não quero ser um fantoche mais uma vez, um coração a lutar por dois" - não podia dizer melhor!!

    ResponderEliminar
  5. não se vai resolver porque já é tarde demais para os dois, mas sinceramente, eu estou bem porque foi apenas uma memória do passado. mas obrigada minha linda :)

    ResponderEliminar
  6. Boa tarde, cá estou eu mais uma vez para te pedir a tua sincera opinião sobre os meus três posts de hoje (dia 2). Muito obrigada, para mim é muito importante crescer!

    ResponderEliminar
  7. Eu expressei-o, mas como se o sentisse fisicamente. Muito obrigada :D

    ResponderEliminar